Com a CATI, crianças aprendem a cultivar hortas dentro de garrafas PET e são incentivadas a consumirem alimentos saudáveis

Inserir crianças em idade escolar no ambiente da agricultura e despertar o interesse no consumo de alimentos saudáveis fazem parte do Projeto Horta Educativa, que foi executado no último dia 30 de outubro, no município de Cravinhos, na região de Ribeirão Preto. Cerca de 600 alunos da Escola Municipal de Educação Básica (Emeb) Moacyr Martins dos Santos, com idades entre 4 a 10 anos, participaram da oficina e puderam levar para casa mudas de plantas olerícolas, aromáticas e medicinais cultivadas dentro de garrafas PET. A Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA) do Estado de São Paulo, por meio da CATI Regional Ribeirão Preto, participou com a formação das mudas, bem como no auxílio aos alunos na implantação da horta.

       

Antes de confeccionar a própria horta, os alunos do 1.º ao 5.º ano do ensino fundamental receberam apostilas com informações sobre o ciclo de vida das plantas, adubo orgânico, tipos de ervas, habitantes da horta, montagem de pratos saudáveis, entre outros assuntos. Além disso, as famílias também ganharam um caderno com informações para cultivar uma horta em casa, bem como preparar receitas oriundas de alimentos cultivados na própria residência. “Nós, os educadores, sabemos da importância de qualquer tipo de planta. A Casa da Agricultura de Cravinhos foi parceira em todos os momentos, pois as crianças precisam saber de onde vêm as verduras que estão nas gôndolas dos supermercados”, afirmou Margarete Moraes, secretária de Educação em Cravinhos. De acordo com Margarete, a ideia de cultivar uma horta dentro das garrafas PET desperta a curiosidade dos pequenos.

Para que as mudas pudessem crescer a ponto de as crianças cultivarem a horta dentro das garrafas, o produtor Antônio Augusto Gregio participou como voluntário no Projeto. “Gosto de ajudar, afinal trabalho no campo há anos. Para auxiliar no Projeto, apenas multipliquei e germinei as sementes, fiz as mudas e, a partir daí, as crianças confeccionaram as hortas”, explicou o produtor.

Com as garrafas em mãos, os alunos colocavam o substrato e, logo depois, escolhiam a muda para cultivar. “Escolhi a cebolinha porque sei que dá para usar na alimentação. É importante aprender sobre alimentação saudável”, disse Rafaela Calori, de 8 anos de idade. Quem corrobora a opinião de Rafaela é o aluno Murilo Martins, da mesma idade da colega de classe. “As plantas fazem bem para a vida da gente e gostei muito de participar e poder levar a horta para casa”, afirmou.

A professora Valéria Fiel lembrou que as crianças, na grande maioria, se alimentam de forma incorreta e que esse tipo de projeto auxilia os pequenos. “Todos os professores receberam o ‘caderno do educador’, que aborda assuntos relacionados à alimentação saudável; como cultivar a horta; como produzir em pequenos ambientes. Com isso, nosso objetivo é repassar aos alunos e pais o valor da agricultura em nosso dia a dia”, afirmou a professora, ressaltando que cada família de aluno recebeu um caderno com informações e receitas que podem ser feitas a partir da muda plantada.

CATI – trabalho que ultrapassa as fronteiras do campo

Embora tenha como missão promover o desenvolvimento rural paulista, a CATI mantém o compromisso em levar o conhecimento para toda a sociedade, como no caso do Projeto Horta Educativa. “Acreditamos que a CATI não trabalha somente com o produtor rural. Trabalhamos para toda a sociedade, mostrando para as crianças, para as famílias e professores a importância da natureza e da agricultura”, frisou Carlos Henrique de Paula e Silva, diretor da CATI Regional Ribeirão Preto. “Cravinhos é uma cidade agrícola e muitas dessas crianças têm parentes no campo. Dessa forma, a CATI promove o interesse por parte das crianças em continuar a atividade no campo”, disse Carlos, ressaltando que o Projeto foi bem-sucedido devido à parceria com a Administração Municipal, com o produtor voluntário que germinou as mudas e com o auxílio dos trabalhos dos servidores da Casa da Agricultura de Cravinhos, como Oswaldo da Cunha, engenheiro agrônomo, e Michel Calixto, zootecnista.

De acordo com André Eduardo Lapria Faria, responsável pela Casa da Agricultura de Cravinhos, 90% da população reside no meio urbano, sendo que muitas crianças acreditam que o alimento ‘nasce’ nas gôndolas dos supermercados. “Os alunos precisam entender esse processo de plantar, cultivar, semear e colher para estimular, inclusive, o consumo de alimentos saudáveis”, disse. O zootecnista afirmou, ainda, que o contato das crianças com o meio rural promove o interesse pela profissão. “A criança só vai escolher uma profissão na qual ela tiver uma certa proximidade. Futuros zootecnistas, engenheiros agrônomos e médicos veterinários podem se originar a partir de ações como essa”, concluiu.

Projeto Horta Educativa

Em 2013, a Secretaria estadual de Educação assinou um termo de cooperação entre o Fundo Social de Solidariedade (Fussesp) e a SAA para a implantação do Projeto Horta Educativa. O objetivo é ensinar conceitos de educação ambiental, nutricional e valorização do meio rural via horticultura. No acordo, o Fussesp coordena a execução do Projeto fornecendo material de apoio como ferramentas, sementes, material pedagógico e didático para a implantação nas escolas. Já a SAA elabora o estudo de viabilidade das áreas nas quais serão implementadas as “hortas educativas”, disponibilizando assistência técnica para assuntos relacionados ao Projeto.

Mais informações: (19) 3743-3870 ou 3743-3859

jornalismo@cati.sp.gov.br